Quinze Dias: Rumo ao amor próprio!

Foto por Matheus Pataro
      O livro de hoje é um livro muito especial pra mim, foi uma indicação de um amigo meu que ama livros LGBT e que fazia questão de dizer que esse autor é muito fofo e todos deveriam ler seus livros.
       Pois bem, eu concordo! Quinze Dias é um romance LGBT escrito pelo autor, ilustrador e YouTuber Vitor Martins e conta a história de Felipe, um menino gordo, gay que não aguenta mais o Ensino Médio e está doido para o recesso de julho começar pra ele poder se afundar em séries e filmes e não sair do seu quarto até o dia de começarem novamente as aulas. Porém, sem o seu consentimento, sua mãe permite que o Caio, o vizinho do 57 por quem Felipe tem uma queda desde a infância, passe as férias na sua casa enquanto seus pais viajam. As férias que eram algo pelo qual Felipe passava um semestre esperando, se transformam então em um teste de sobrevivência às suas angústias, medos e inseguranças, dentro de sua própria casa.
      Em suas 205 páginas de narração em primeira pessoa, o livro nos deixa dentro da cabeça de Felipe, que, mesmo com todos seus problemas, consegue ser carismático e gerar uma identificação imediata do leitor com o personagem. Tudo parece impressionantemente comum no livro (digo isso de um jeito muito bom), toda a ambientação e as relações entre os personagens e seus dilemas parecem tão reais como a adolescência que um dia vivemos.
      Vitor escreve de um jeito muito natural e inocente, é realmente como se estivéssemos dentro da cabeça de um adolescente, os pensamentos demonstram complexidade e maturidade, mas ao mesmo tempo tem a falta de maldade que os adultos apresentam pra tudo.
      É interessante também o modo como os personagens são tratados no livro. Toda a personalidade e desenvolvimento dos outros personagens são subjetivos às convicções de Felipe, que sempre os olha com compaixão, mas ao mesmo tempo atribui críticas duras à eles. Contudo, a pessoa mais criticada por Felipe, é ele mesmo, e "Quinze Dias", acredito eu, é mais sobre isso do que sobre qualquer possível romance entre ele e Caio. O livro, como escrito em sua dedicatória, é pra todos aqueles que já entraram na piscina usando uma camisa, e mostra de forma certeira as agressões físicas e morais, institucionalizadas ou não, que pessoas gordas sofrem no dia-a-dia. Todos os medos, vergonhas e frustrações de um garoto gordo e gay são mostrados em primeira pessoa, de forma tão realista que eu cheguei a chorar em algumas partes.
       Embora a gordofobia seja um dos temas mais tratado no livro, outros temas tão importantes quanto ela também são discutidos, como o machismo, a LGBTfobia, o racismo, o poder transformador das artes e o bullying, e eu francamente não sei como isso tudo conseguiu ser abordado de forma tão sensível e responsável em apenas 205 páginas.
       Os filmes e livros LGBTs tiveram, desde cedo, muito apelo comigo, uma vez que na busca por identificação, era neles que eu me realizava e encontrava meu lugar no mundo. O primeiro Livro LGBT que eu li (e me apaixonei) foi o 1+1 A Matemática do Amor (fiz uma resenha aqui no blog na época da leitura - clique para ler) e desde então, procurei sempre por essa categoria nas estantes de livros, nas salas de cinema e nas plataformas de Streaming.
       Embora me sentisse representado com as obras LGBT's consumidas ao longo dos anos, sempre faltou alguma na qual eu realmente me visse, e é aí que entra o "15 Dias" do Vitor Martins. Quando encontrei esse livro a sensação de pertencimento foi instantânea, o personagem principal sendo um garoto gordo, LGBT, de cidade pequena, que tinha perdido a avó a pouco tempo (assim como eu, quando comecei a ler o livro) e além disso sofria de ansiedade e uma série de outras inseguranças (como eu) vindas do modo como a sociedade encara pessoas gordas e LGBTQ+, conseguiu me fazer projetar a minha existência dentro do livro e a do Felipe dentro da minha vida, e isso é uma das coisas mais difíceis e legais que um autor pode fazer.
      Dessa forma, Quinze Dias entrou pra minha lista de livros favoritos e Vitor Martins entrou pra minha lista de autores pra acompanhar!

Postar um comentário

0 Comentários