Ads Top

O dia em que a Democracia brasileira faliu!



Are you?
Are you?
Coming to the tree?

Ao som de "Hanging Tree" eu começo esse texto com uma enorme vontade de gritar e de obrigar todos à assistirem uma boa aula de História.
Escrevo no dia 18/04/2016, um dia após a violação da democracia ocorrer num país no qual, eu costumava ter esperança.
Ontem vimos um processo de Impeachment inconstitucional, ganhar no grito!
Vimos a Elite Branca, cis e hétero, oprimir, mais uma vez o preto, pobre da favela.

A Política Brasileira:



Vivemos, assim como em qualquer outra época da história, um momento em que a ascensão das classes sociais mais baixas incomoda a Elite, e desperta um movimento reacionário. Movimento esse, que quer vencer no grito, o voto popular!
Movimento esse, que usa da manipulação da mídia pra fazer com que as pessoas o adotem.
Onde já se viu, um processo de impeachment ser conduzido por um homem que, COMPROVADAMENTE, tem milhões de reais desviados? Onde já se viu, termos como maior influência na Câmara dos Deputados, uma bancada evangélica, que, em nome dos "bons costumes", apoia políticos fascistas como Jair Messias Bolsonaro, e, em nome do poder, apoia políticos sujos como Eduardo Cunha, e um processo ilegítimo de Impeachment?
""Onde já se viu, um adolescente de 16 anos, ter que vir pra internet, dar aula de política e de estruturação argumentativa pra esse povo? ""

Vem cá comigo! Senta aqui, querida! Para de passar vergonha!

Sobre o que foi a votação de ontem?

Seria até bom se eu pudesse afirmar que a votação pelo processo de Impeachment foi ideológica, seria bom, se eu pudesse afirmar, que essa votação, não tinha nenhum cunho de interesse, mas fica muito difícil pensar assim visto o fato de que a mesma, foi dirigida por um político corrupto e liderada por fascistas e falso-moralistas.

Eu não vou nem discutir com vocês a inamissibilidade do processo de Impeachment, isso não cabe à mim, cabe a você, ser um cidadão capaz de questionar e investigar fatos, antes de omitir uma opinião!
Sobre isso, vocês podem ler:

Etc...
 Também não vou discutir com vocês, quem foi uma das relatoras e em que ela se baseia...
A discussão aqui é muito mais sobre a politicagem** (que teve sua gota d'água ontem) do que sobre o processo de Impeachment em si.

Politicagem ***
Substantivo femininopej.
1. Política de interesses pessoais, de troca de favores, ou de realizações insignificantes.
2.O conjunto dos políticos que se dedicam a essa espécie de política.

- Dicionário do Google

Jogos Vorazes, House of Cards e Scandal:

Como não relacionar?
À aqueles que adoram uma bom livro ou uma boa série, com certeza, já passaram por pelo menos dois destes três nomes, e, caso ainda não os tenha conferido, venho a dizer-lhes que são magníficas obras e que se aplicam perfeitamente ao momento político brasileiro.
Assim como nas três obras citadas temos, uma constante busca por poder, que, no caso de Scandal é predominantemente ideológica, mas no Brasil (assim como nas outras duas estórias) é pelo puro e simples fato da obtenção do poder, e do dinheiro.
Assim, temos Michel Temer, como Francis, em House Of Cards (só que, um Francis com uma dose muito maior de cara-de-pau).
Um homem que não mede esforços em sua busca pelo poder, e que está disposto a trair seus aliados para que um dia possa sentar em uma cadeira, a qual, ele acredita merecer.

Eduardo Cunha como Sally Langston, em Scandal, uma mulher que, assim como Francis (HofC), quer, a qualquer custo, o poder, mas não tem medo de esconder seus desejos atrás de ideologias cristãs e fundamentalistas ou de tentar subir usando seus 'amigos'. Além disso, Sally também consegue adaptar seu discurso preconceituoso à qualquer situação, de modo com que pareça uma boa pessoa, ou, até mesmo, a heroína do povo brasileiro (Ops!), americano...

A Câmara dos Deputados como a Capital, em Jogos Vorazes, um lugar onde as ideologias e ações, se pautam nos interesses da Elite, onde o pobre é deixado de lado nas decisões políticas, e onde os políticos, não tem poder argumentativo, só arbitrário!

Por fim, cheguemos à parte mais deprimente do dia de ontem: O discurso de Jair Messias Bolsonaro!

Quando à isso, só posso dizer que ele deveria ter saído de lá algemado, por apologia à violência, à ditadura e pelo modo como atacou, não só a presidente, mas também, Jean Wyllys, e todos que sofreram com a Ditadura Militar.

  

O que o povo tá pensando? - Comenta aí!



Desapontada, mas não surpresa. Ver mais de 300 deputados votando a favor de um impeachment desmotivado e clamando estar defendendo a democracia é difícil de engolir. Teve gente saudando Mossoró, saudando a mãe, o filho, o neto, os militares de 64, os corretores de seguro e o Movimento Brasil Livre. Foi até bem variado.
O que permaneceu foi a hipocrisia dos caras, né não? Mais de 60% dos deputados presentes foram indiciados por corrupção, lavagem de dinheiro, desvio de verba, essas brincadeiras de criança; ainda assim, clamavam que Dilma Rousseff, que mesmo com uma midia sedenta por seu sangue, nunca foi indiciada em um caso de corrupção, era a mazela do país. Inclusive, a maioria ali nem devia estar sabendo o motivo do impeachment -- que na verdade não é válido, pois as pedaladas fiscais não se enquadram como crime de responsabilidade e países do mundo inteiro fazem, inclusive os incorruptíveis Estados Unidos da América --, porque estavam ocupados demais preparando a dedicatória do voto.
O mais bacana de ontem é que quando homem falava, ou tinha grito de aprovação, ou tinha silêncio. Quando a mulher falava sempre tinha um burburinho e, caso votasse "não", era vaiada. Achei engraçado também que o Brasil tem mais da metade da população auto-declarada negra ou parda, mas na Câmara quase todos eram brancos. Esse país multicultural, miscigenado, diverso e lindo tá sendo representado por caras brancos conservadores. É isso mesmo?
_ Jullia Gouveia - Estudante do Coluni (UFV)











Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.